Home » Notícia » Mais Diferenças está na Bienal do Livro 2018

Mais Diferenças está na Bienal do Livro 2018

Pela primeira vez em 25 edições, a Bienal Internacional do Livro de São Paulo recebe um estande de livros com recursos acessíveis em múltiplos formatos. A coleção tem dez títulos da literatura infantil e infantojuvenil com narração em áudio, texto original e/ou em Leitura Fácil, interpretação em Libras e descrição das imagens. (Clique aqui para acessar)

Isso acontece logo após a sanção da Política Nacional de Leitura e Escrita (Lei 13.966/18), que prevê a universalização do direito de acesso ao livro, à leitura, escrita, literatura e às bibliotecas no país. A Política estabelece entre seus objetivos o fortalecimento das bibliotecas públicas e de outros espaços de incentivo à leitura, a ampliação de acervos físicos e digitais e a garantia do acesso das pessoas com deficiência às obras literárias.

No estande da Bienal, projetado de forma acessível, as pessoas poderão acessar os livros acessíveis e participar de várias atividades, todas com intérpretes de Libras e audiodescrição. A programação inclui contação de histórias, rodas de conversa, mediação de leitura, bate-papo com autores e sarau.

Oficina de ilustração e bate-papo sobre livros acessíveis

O Projeto Diversos – Livros Acessíveis e Inclusivos é fruto  da parceria entre a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, o Centro de Tecnologia e Inovação e a Mais Diferenças.

Conheça aqui a programação completa do nosso estande O030:

Os livros que reúnem narração em áudio, texto original e/ou em Leitura Fácil, interpretação em Libras e descrição das imagens são:

“A Bolsa Amarela”, de Lygia Bojunga

“Bem do Seu Tamanho”, de Ana Maria Machado

“A Volta ao Mundo em 80 Dias”, de Júlio Verne

“Frritt-Flacc”, de Júlio Verne

“Peter Pan”, de J. M. Barrie

“Sei por Ouvir Dizer”, de Bartolomeu Campos de Queiros

“Uma Nova Amiga”, de Lia Crespo

“Serei Sereia”, de Kely Castro

“O Discurso do Urso”, de Julio Cortazar

“O Menino no Espelho”, de Fernando Sabino